Otto diz que no Congresso hĂĄ "insatisfação clara" com o governo e não descarta candidatura a presidente do Senado

Por Por Edu Mota, de Brasília em 07/06/2024 às 10:47:18

O governo vem errando repetidamente na articulação política e o próprio presidente Lula vem contribuindo para que o PalĂĄcio do Planalto sofra derrotas no Congresso Nacional, ao deixar de receber parlamentares. A opinião foi dada nesta sexta-feira (7) por um dos principais aliados do governo no Senado, o líder do PSD, Otto Alencar.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Otto Alencar revela que os senadores tĂȘm se queixado com ele de falta de acesso a ministros e outras autoridades do governo. O senador baiano disse também que ministros indicados por partidos do Centrão tĂȘm privilegiado apenas seus próprios aliados.

"É duro falar isso, mas muitos senadores não tĂȘm nem acesso aos ministros, nem retorno das ligações. Alguns senadores dizem: "Otto, eu sou ninguém para o governo. Eles acham que eu não existo". A desatenção tem sido muito grande. É preciso que os ministros com autonomia resolvam os problemas de deputados e senadores, para que o problema não tenha que chegar no presidente da República. Mas não estĂĄ acontecendo isso", afirmou o senador.

Segundo declarou ao Valor o senador Otto Alencar, ele teria sugerido ao presidente Lula, hĂĄ cerca de trĂȘs meses, que chamasse os parlamentares para conversas presenciais. Essas reuniões, entretanto, ainda não ocorreram, o que para o senador baiano, torna mais difícil a vida de quem apoia o governo.

"Quando eu estive com o presidente Lula, no último jantar no PalĂĄcio da Alvorada, eu disse que era preciso entrar na articulação, abrir a agenda dele para receber senadores pessoalmente. E isso não aconteceu. Eu jĂĄ cobrei isso do líder do governo, Jaques Wagner, do ministro Alexandre Padilha, mas não tem acontecido. Tem senadores aqui que nunca estiveram com o Lula, são vĂĄrios, do meu partido, inclusive. Eu sou da causa, acredito no presidente, trabalho intensamente e tenho firmeza de que o projeto vai dar certo e vai ser bom para o Brasil. Mas dentro do PSD eu jĂĄ não conto com o voto de muitos senadores", disse.

Como exemplo das dificuldades atuais enfrentadas pelos líderes de partidos aliados ao PalĂĄcio do Planalto, o senador Otto Alencar destacou a votação do projeto que cria o Programa Mover, que contou com a emenda da taxação de 20% nas compras internacionais até US$ 50. O senador destacou que se a emenda tivesse sido votada de forma nominal, o governo teria sido derrotado.

"No PSD, eu só teria sete votos, dos 14 que votam. É metade. Se fosse para fazer deliberação nominal, o governo perderia por muitos votos. Havia a ausĂȘncia de muitos governistas, inclusive do PSD. Existe uma insatisfação clara dos senadores com o governo. EstĂĄ mais do que claro. As queixas vĂȘm até mesmo do PT", afirmou Otto. "Quando estive com Lula, eu disse: presidente, facilite a minha vida de líder, atenda os senadores", completou.

Outro ponto explorado pelo jornal Valor Econômico na entrevista com o senador baiano foi uma possível candidatura à presidĂȘncia do Senado em fevereiro de 2025. Ao jornal, Otto Alencar não descartou a possibilidade de ser candidato e disse não ter conversado ainda com Rodrigo Pacheco sobre o assunto, mas, para ele, o tema só deverĂĄ ser discutido após as eleições municipais.

"Pela minha experiĂȘncia, esse assunto deve ser tratado depois das eleições municipais. A sucessão da Casa Legislativa começa trĂȘs meses antes. Eu vou reunir o partido e o presidente Rodrigo Pacheco também tem que ser ouvido. Em qualquer Casa Legislativa, o comandante da sucessão é o próprio presidente, conversando com diversos partidos", declarou.

Sobre um eventual apoio de Pacheco ao nome do senador Davi Alcolumbre (União-AP) para sucedĂȘ-lo, Otto Alencar disso não ter visto nenhuma manifestação do presidente do Senado que corroborasse essa preferĂȘncia.

"Eu ainda não ouvi do presidente Pacheco a preferĂȘncia pelo nome do Davi, do meu ou de um outro senador. Depois das eleições é que nós vamos discutir. Pela relação que tenho aqui no Senado, meu nome é sempre lembrado por muitos dos meus colegas, mas eu vou deixar isso para depois", afirmou o líder do PSD.

Apesar de afirmar que só tratarĂĄ sobre a sucessão de Rodrigo Pacheco após as eleições municipais, Otto Alencar disse ao Valor como ele se comportaria caso fosse eleito presidente do Senado: "Se eu vier a assumir, vai ser dentro de um padrão em que todos possam participar da Mesa Diretora, até mesmo a oposição", completou o senador baiano.

Fonte: Bahia Noticias

Comunicar erro
outlet

ComentĂĄrios